BP planeja atuar em geração distribuída no Brasil

Acreditando na evolução do mercado solar, a Lightsource da BP planeja iniciar atividades em 2019 com as primeiras usinas.

 Lightsource BP

Lightsource BP

A gigante de energia britânica BP inicia em 2019 as negociações de sua subsidiária para energia solar, a Lightsource BP no Brasil. O anúncio da chegada da empresa foi feito nesta semana, e o foco será o desenvolvimento de projetos fotovoltaicas bem como em soluções inteligentes para armazenamento de energia para os setores residenciais, comercial e industrial do Brasil por meio da geração distribuída. A empresa não divulgou o valor do investimento a ser aplicado no região.

Essa iniciativa, comentou Spencer Dale,o economista da BPé uma forma da empresa se posicionar como uma empresa de energia renovável, não mais como uma petrolífera, como antigamente. No foco da BP está a busca por diversificar seu mix de negócios já que a sua projeção é de um futuro onde as diversas fontes de energia (no conceito geral) terão seu espaço, diferente do passado onde as fontes fósseis prevaleciam sobre as demais.

No começo, a organização que vem ao país tem como objetivo desenvolver novos projetos solares para pequenas e médias empresas e clientes locais. E afirma que buscará desenvolver e estabelecer união de longo período com desenvolvedores locais a fim de cumprir suas metas, que não foram indicadas.

A Lightsource BP trabalha, no financiamento, desenvolvimento, aquisição e gestão a longo período de projetos de energia solar FV. No final de 2017, a BP adquiriu 43% de participação acionária e a empresa foi renomeada como Lightsource BP. Fundada em 2010, a empresa é fornecedora de energia solar em proporção de serviços públicos e entrega serviços de O&M na Europa, com mais de US$ 3 bilhões em capital aplicado em projetos mundiais da fonte solar que complementam 2 GW de capacidade instalada. De acordo com dados disponibilizados pela empresa possui uma time de mais de trezentos especialistas em sete escritórios em quatro continentes.

“O Brasil é um região evidente para apostar em energia solar. Acredito que até o no término deste ano já estaremos operacionais, mas projetos a partir de 2019”, definiu o executivo em entrevista coletiva organizada pela empresa em São Paulo. “A fonte solar está crescendo aceleradamente em todo o mundo é importante e podemos utilizar nosso experiência para arrancar vantagem desse negócio de forma renovável a ideia é de combinar nosso conhecimento e a força de nossa marca que é mundial”, adicionou ele.

A BP aposta suas prontuários no Brasil como um dos mais importantes para a tática da organização Entre os razões está o fato de ser o maior mercado cliente da América Latina e que vem a procura entre suas fontes de eletricidade. Sua produção de energia sustentável destaca, se concentra em grandes projetos hidrelétricos, enquanto a energia solar ainda significa um taxa pequeno na matriz energética do Brasil.

A subsidiária da multinacional britânica indica que vê uma enorme oportunidade de crescimento no Brasil e que a legislação que apoia a energia sustentável seguramente haverá um papel importante nesse aspecto. “Queremos ser parte do desenvolvimento da energia solar no Brasil, trabalhando com companhias parceiras visando uma eletricidade e de fácil acesso. e real Para a Lightsource BP, acessar em novos segmentos não está relacionado somente a rentabilidade, mas ao potencial de crescimento e fortalecimento das comunidades e das economias em desenvolvimento. Com o nosso comprovado histórico e nossa competência em estruturar relações intensas e confiáveis, supomos que podemos ter um papel muito importante em acrescentar energia solar à matriz energética do Brasil”, revelou a empresa em aviso

As prognosticos da BP que apresentam do Energy Outlook 2018 apontam que a perspectiva é de que o consumo no Brasil apresente um crescimento de 60% no horizonte de 2040. Nesse contexto, a participação de energias renováveis deve crescer até 47% devido a um importante crescimento em energia solar, eólica, hidroelétrica e a duplicação do uso de biocombustíveis. Mario Lindenhayn, gerente regional da BP no Brasil, reforçou a ideia de diversificação de investimentos da empresa por aqui e que observando para as fontes sustentáveis há oportunidades para alcançar esse meta no mercado Brasileiro.

Nick Boyle, chefe executivo do grupo Lightsource BP, enfatizou que os projetos de energia fotovoltaica são flexíveis e relativamente fáceis de implantar, o que os torna a escolha ideal para aumento da capacidade de geração. E afirmou que a empresa pretende fortalecer a experiência em financiamento e oferecer uma ampla gama de propostas para se tornar um destaque no desenvolvimento da energia renovável no Brasil.

Já Dev Sanyal, CEO do negócio de Energias Alternativas da BP, disse que em 2018, a geração de energia renovável global aumentou em torno de 17% – um crescimento maior que o observado na média da ultima década – especialmente para a fonte eólica e solar. Por isso destaca o foco em trabalhar com a Lightsource BP para expandir sua presença global e aproveitar este crescimento, recorrendo especificamente à presença multinacional da BP. “Acreditamos em ter oportunidades importantes em fornecer soluções de energia acessíveis, confiáveis e com baixas emissões de CO2, mediante a integração da energia fotovoltaica com os nossos negócios de outras fontes renovável existentes.”