Energia Brasileira

As fontes mais utilizadas para obter energia no Brasil, atualmente, são: energia hidroelétrica (em primeiro lugar), petróleo, carvão mineral e os biocombustíveis, gás natural e a energia nuclear.  

(Imagem: Pinterest)

(Imagem: Pinterest)

 

Essas fontes são utilizadas por possibilitares a força necessária para girar as turbinas das usinas de eletricidade. Elas conseguem transformar a energia mecânica em energia elétrica. 

Detalhamento das fontes

Energia hidroelétrica compõe cerca de 90% da energia elétrica consumida no Brasil . Além de importa parte da energia hidroelétrica, do Paraguai e outra parte da Argentina, o país utiliza 25¢ do seu potencial hidráulico. Conheça as principais hidrelétricas do país:

  1.  Usina Hidrelétrica de Itaipu, no Rio Paraná - Capacidade: 14.000 MW;
  2. Usina Hidrelétrica de Tucuruí, Rio Tocantins - Capacidade: 8.370 MW;
  3. Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira, no Rio Paraná - Capacidade: 3.444 MW;
  4. Usina Hidrelétrica de Xingó, no Rio São Francisco - Capacidade: 3.162 MW;
  5. Usina Hidrelétrica de Foz Do Areia, no Rio Iguaçu - Capacidade: 2.511 MW;
  6. Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso, no Rio São Francisco - Capacidade: 2.462 MW;
  7. Usina Hidrelétrica de Itumbiara, no Rio Paranaíba - Capacidade: 2.082 MW;
  8. Usina Hidrelétrica de Teles Pires, no Rio Teles Pires - Capacidade: 1.820 MW;
  9. Usina Hidrelétrica de São Simão, no Rio Paranaíba - Capacidade: 1.710 MW;
  10. Usina Hidrelétrica de Jupiá, no Rio Paraná - Capacidade: 1.551 MW.

As Usinas Termoelétricas, outra principal fonte, são abastecidas através do Petróleo que é também utilizado para a geração de energia para veículos motores, através da produção de gasolina, óleo diesel, querosene. Alguns anos atrás eram importados cerca de 60% do petróleo consumido internamente, atualmente, o país é quase completamente abastecido pela produção interna. As principais bacias petrolíferas são:

  1. Bacia de Campos, a maior do Brasil;
  2. Bacia de Santos;
  3. Bacia do Espírito Santo;
  4. Bacia do Recôncavo Baiano.

A produção de Carvão Mineral, também responsável pelo abastecimento de Usinas Termelétricas é matéria-prima das indústrias siderúrgicas. Sua produção no Brasil está concentrada nos estados de Santa Catarina, no vale do Tubarão, e no Rio Grande do Sul, no vale do Rio Jacuí.

Biocombustíveis são fontes renováveis, originados de produtos vegetais (como a mamona, a cana-de-açúcar, entre outros). É uma fonte de energia mais limpa e a sua utilização é defendida pois acarreta em menos danos para o meio ambiente. Por outro lado, os críticos apontam que muitas áreas naturais são devastadas para o cultivo das matérias-primas necessárias para essa fonte de energia. Os biocombustíveis mais utilizados no país são: o Etanol (álcool), o Biogás e o Biodiesel.

O Gás Natural, abastece quase 10% do consumo nacional de energia, é geralmente produzido de forma conjunta ao petróleo. Seu uso principal é na forma do gás de cozinha, além de abastecimento de indústrias, também nas Usinas Termoelétricas e na produção de combustíveis automotores.

A Energia Nuclear é um recurso energético também utilizado desde o início da década de 1960, tendo como razão de existência o argumento de que a energia hidroelétrica não seria suficiente para abastecer o consumo energético do Brasil. Em 1981, foi inaugurada a primeira Usina Nuclear brasileira, localizada na cidade de Angra dos Reis e, por isso, denominada de Angra I. Porém, por problemas técnicos, ela foi desativada e, atualmente, não se encontra em operação. Posteriormente, em um acordo com a Alemanha, foram iniciados os projetos de Angra II e III, que deveriam entrar em funcionamento na década de 1980. Além dos altos gastos e do baixo nível produtivo (apenas 3% da produção nacional de eletricidade), as usinas nucleares de Angra são duramente criticadas por grupos ambientais em razão dos altos riscos em casos de acidentes ou vazamentos e pelo não estabelecimento de um local fixo para a destinação dos resíduos radioativos gerados pela usina.

Posição de destaque

De acordo com a Organização Internacional, nesse ano (2017) o Brasil ocupa 5ª colocação no ranking mundial de capacidade instalada de Energia Eólica, se mostrando o líder na produção desse tipo de energia na América Latina. 

 

"O Brasil tem sido muito proativo em fontes renováveis, tanto eólica como solar, e tem um programa ambicioso de aumentar essa participação da energia eólica na matriz energética do País”, pontuou o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Fábio Lopes Alves.

 

Ainda assim, a principal fonte de energia no País continua sendo das usinas hidrelétricas de pequeno e grande porte que, em tempos de estiagem, precisa de ser auxiliada pelas usinas termoelétricas, que geram uma energia mais cara. A boa notícia é de que a entrada em operação de novos campos eólicos, essa forma de energia passou a representar 6% do total no Sistema Interligado Nacional (SIN).

Futuro Próximo

O país assinou o compromisso internacional na COP 21, em 2015, propondo-se a aumentar para 33% o uso de fontes renováveis, além da energia hídrica, na matriz total de energia até 2030, aumentando a parcela de energias renováveis como a  eólica, biomassa e solar.

 

Fontes: Mundo Educacao; EletroBras; Portal Brasil


SIGA A COSOL NO MEDIUM: MEDIUM.COM/COSOL