Crédito do BNB para energia renovável atrai projetos da Bahia

Apenas quatro meses depois de ter sido autorizado pelo Ministério da Integração Nacional a volta do crédito de financiamento da geração de energia renovável, o Banco do Nordeste (BNB) já recebeu somente na Bahia cerca de 40 projetos de empresas em sociedades de propósito específico (SPE) em busca de recursos para a construção de sistemas eólicos e solares.

energias renovaveis + energia solar + cosol

O banco agora financia, além de empresas, projetos individuais de pessoas físicas e até mesmo de condomínios e associações, sejam na zona rural ou urbana. Foi criada, inclusive, uma linha de crédito específica para a micro e a minigeração distribuída de energia elétrica, usando recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste.

O denominado FNE Sol, como a linha foi batizada, chega ao mercado com condições animadoras em tempos de dinheiro apertado: o investimento pode ser financiado dentro de até 100%, com bônus de adimplência de 15% e juros entre 9,5% a 15,5% ao ano. 2/2 "A empresa pode ser de qualquer porte, porém, no caso do FNE Sol, o projeto só pode ser de micro e minigeração de energia", ressaltou o diretor do BNB na Bahia, Jorge Bagdêve. No caso de projetos de grande porte nos setores de biomassa, energia eólica, energia solar fotovoltaica e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), há também recursos disponíveis, mas em outras condições: financiamento de até 60% do valor, com prazo de até 20 anos e carência de até oito anos, com taxas de juros de 12,95% e bônus de adimplência.

Em torno de 15% do Volume de recursos, conforme informou Bagdêve, do teto de até R$ 4 bilhões previstos para realização do FNE em projetos no território baiano, cerca de R$ 500 milhões devem ser direcionados para micro e minigeração, através do FNE Sol, "podendo alcançar o muito mais, o depender da demanda", como frisou. O financiamento pode ser pago em até 12 anos, com até um ano de carência. "O FNE Sol é um produto sem concorrência no mercado que atende o uma exigência cada vez mais presente na realidade das empresas que buscam eficiência, ecossustentabilidade e redução de custos operacionais", pontuou Bagdêve.

Segundo acordo com o engenheiro eletricista Marcelo Cad, os sistemas de micro e minigeração de energia solar, por exemplo, custam, em torno de R$ 40 mil, "a depender do quanto se quer produzir de energia". "Na maioria dos casos, o retorno dos projetos na redução das contas de energia só começa em dez anos, pois toda a economia gerada, num primeiro momento, é usada para pagar o financiamento, dessa forma, é preciso ter essa visão de longo prazo", explicou Cad, que é professor de engenharia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba).

Fonte: Joyce de Souza, colunista do Jornal A Tarde.