Energia solar será a forma de eletricidade mais barata, até 2020

Nos últimos anos, o Brasil se consagrou como um dos países líderes na luta contra o aquecimento global e as mudanças climáticas, ao se vincular ao desenvolvimento sustentável dentro de diversos tratados internacionais, tal como o Acordo de Paris e a Agenda 2030. 

Tendo quadruplicado a expansão no dois últimos anos e tendo 110 plantas de usinas fotovoltaicas em construção, o Brasil hoje tem 3.981 conexões de energia solar. Esse são vestígios do futuro, próximo, com foco nas energias renováveis.

Segundo pesquisas do Ministério do Meio Ambiente, a promessa é de que a energia solar chegue a 8.300 MW de capacidade instalada até 2024 e que  em 2050, 18% das residências utilizem a eletricidade solar fotovoltaica.

Atualmente, os capitais como Fortaleza, Belém, Recife, Rio de Janeiro e Goiânia possuem uma excelente resultado nos projetos de baixa tensão realizados em pequenas empresas, em condomínios residenciais, hospitais, shopping centers e residências. Estima-se que em 2020 a energia solar será a maneira mais barata de gerar eletricidade, esse preço diminuirá em 60% até 2040.

“A vantagem da energia solar comparada a outras iniciativas sustentáveis, é que não vamos modificar radicalmente as práticas existentes. A energia solar vem para agregar e com a decorrer dos anos se transformará no melhor alternativa econômica e ambiental” afirma Marcel Haratz, especialista em energias limpas. 

Dentre os benefícios Haratz menciona o fato de ser uma fonte de energia renovável e abundante, a previsibilidade nos custos e a redução da dependência das distribuidoras locais. Outras vantagens são a durabilidade cerca de 20 a 25 anos nas placas solares fotovoltaicas e a capacidade de alcançar áreas remotas.  Ele considera como dificuldades a falta de conhecimento sobre a tecnologia fotovoltaica, financiamento dos projetos e o imediatismo da sociedade brasileira por mudanças. 

Na opinião de Haratz atualmente não há um apoio amplo por parte do poder público, porém afirma que iniciativas tal como o Sistema de Compensação de Energia Elétrica através das Condições Gerais de Fornecimento, a Resolução Normativa nº 414/2010 já são uma excelente início. O Sistema que entrou em vigência desde março deste ano, possibilita a utilização das fontes renováveis destinado o a micro geração de energia. Se porventura a quantidade de energia gerada na decorrer de um determinado mês for superior à consumida os consumidores recebem créditos que podem ser usados para reduzir o valor das faturas dos próximos meses.

Além de cuidar do meio ambiente, o investimento em energia solar criará milhares de empregos no país. Segundo a Agência Internacional de Energias Renováveis, o setor fotovoltaico vai gerar 90 mil empregos até 2018.

Referência: Catraca Livre; Envolverde.


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!