Entrevista com o inventor da IoRE – Internet de Energia Renovável

Desenvolvida pelo pesquisador e fundador da COSOL, Csaba Sulyok, a IoRe irá transformar o setor de energia, oferecendo um sistema distribuído, seguro, econômico e sem intermediários. 

A IoRE é um projeto de inovação premiado da COSOL qual o inventor explica na entrevista a seguir.

blockchain iore cosol.jpg

1. Poderia nos explicar brevemente sobre o que consiste este projeto de IoT (Internet of Things) que vocês estão desenvolvendo?

A COSOL está atuando como um mercado digital que conecta usinas de energia de fonte renovável, a pequenas empresas e consumidores residenciais de eletricidade, para facilitar a transação entre eles. Exatamente para esse tipo de uso, inventamos a tecnologia IoRE - Internet de Energia Renovável. O IoRE é um protocolo de transação, semelhante ao TCP / IP da Internet de comunicação, projetado especificamente para atender às necessidades de geração e consumo de energia renovável distribuída. O IoRE aplica um banco de dados em blockchain para armazenar os dados dos transações descentralizados, eliminando a necessidade de uma autoridade central. Todas as usinas participantes serão equipadas com um medidor de eletricidade IoT, atuando como nodes (pontos finais) da rede blockchain da IoRE. Por outro lado, os medidores de eletricidade dos consumidores de energia participantes também serão atualizados com um dispositivo IoT de baixo custo, que funcionará como o lado do cliente da rede de blockchain da IoRE. Então, o protocolo IoRE será capaz de processar as transações de energia e pagamentos entre as usinas e os consumidores de eletricidade, ponta a ponta, com segurança, em tempo real, sem custo de transação, interferência humana ou autoridade central.

stanislaw-zarychta-1423180-unsplash.jpg

2. Vocês estão trabalhando neste projeto junto com a empresa húngara Danubia. Poderia nos dar mais detalhes sobre qual seria o papel de cada empresa dentro desta parceria?

A COSOL desenvolveu a tecnologia IoRE e o Low Carbon Brazil apoiou os estudos de viabilidade técnica e econômica. Enquanto isso, o escritório de patentes Danubia, em Budapeste (Hungria), nos forneceu serviços relacionados ao processo de patenteamento da tecnologia IoRE no Instituto Europeu de Patentes (IEP). Agora, a patente foi totalmente desenvolvida e depositada no IEP para análise e aprovação. A LC Innoconsult é especializada no comércio de patentes e na negociação de direitos de propriedade intelectual da tecnologia IoRE e nos representa no mercado de PI quando a patente for publicada.

3. Falamos muito em IoT, Internet das Coisas, mas o termo IoRE (Internet de Energia Renovável) é pouco conhecido pelos brasileiros. Poderia nos explicar no que consiste este termo e qual o objetivo?

O termo IoRE foi concebido pelos inventores da COSOL. Refere-se à Internet de Energias Renováveis como um acrônimo. A tecnologia IoRE combina a tecnologia de medição de eletricidade IoT e a tecnologia de contabilidade distribuída, também conhecida como blockchain. O IoRE também se refere ao token IoRE Cash, que é uma cripto-moeda, projetada para circular entre geradores de energia renovável e consumidores. O token IoRE Energy, do outro lado, é uma prova do consumo de energia renovável que pode ser convertido em certificados verdes.

4. Quais seriam os benefícios da descentralização de geração de energia para empresas, indústrias e consumidores particulares?

A geração distribuída tem muitas vantagens sobre o sistema de geração centralizada, pois a eletricidade é gerada localmente, perto dos consumidores, eliminando assim a necessidade de longas linhas de transmissão e aumentando a eficiência. O impacto ambiental e social também é consideravelmente menor em comparação com a grande geração centralizada. Essa transformação é possibilitada como resultado da mudança na tecnologia de geração termoelétrica para a geração renovável, que é modular e não requer um tamanho muito grande para ser viável.

5. Vocês estão desenvolvendo uma tecnologia inovadora de gerenciamento de recursos de energia distribuída, baseada em medidores de energia IoT e tecnologia de banco de dados blockchain. Poderiam nos contar um pouco mais a respeito?

A tecnologia IoRE está combinando exatamente a eletricidade IoT e a tecnologia blockchain database para gerenciar ativos de geração distribuída. Cada gerador e consumidor serão equipados com um medidor de IoT como um retrofit para o medidor de energia convencional a um custo baixo. Em seguida, os pequenos computadores desses medidores de eletricidade IoT poderão transacionar entre eles usando o protocolo IoRE e armazenando as informações de transação no banco de dados de blockchain da IoRE com segurança, aprovadas pela rede dos geradores e consumidores participantes.

6. Vocês mencionam no seu projeto da Low Carbon, que os sistemas de energia fotovoltaica podem reduzir as emissões de GEE. Você pode descrever como a tecnologia blockchain aplicada ao setor FV pode reduzir as emissões de GEE e / ou outros poluentes?

A geração de eletricidade fotovoltaica é uma das menos prejudiciais ao meio ambiente, em termos de emissões de gases de efeito estufa. A tecnologia blockchain da IoRE é projetada para aumentar a eficiência da transação e, portanto, reduzir o custo da geração fotovoltaica distribuída. Como a maior barreira para a mudança da geração térmica fóssil para a fotovoltaica é exatamente o fator custo, a COSOL acredita que a tecnologia IoRE poderia contribuir para a redução de gastos e tornar a energia fotovoltaica mais competitiva. Hoje, cerca de 30% da conta de eletricidade é para cobrir os custos de distribuição. O IoRE é uma tecnologia destinada a reduzir significativamente esse fator monetário, mantendo a segurança e aumentando a velocidade das transações e a flexibilidade da rede de distribuição.

7. Vocês indicaram no seu plano de negócios para este projeto que além do apoio recebido pelo programa Low Carbon Brazil vocês também receberam apoio do SENAI. Poderia nos contar um pouco mais ao respeito?

O SENAI selecionou nossa tecnologia IoRE como um dos vencedores do seu edital de inovação e investiu R$400.000,00 como apoio técnico do departamento nacional. A equipe de tecnologia da informação do SENAI São Paulo tem trabalhado no desenvolvimento do marketplace e sua integração com o blockchain da IoRE, nos últimos 12 meses. O projeto foi concluído com sucesso em maio de 2019, e está pronto para ser testado com as primeiras usinas e consumidores de energia.

8. No atual momento em que os estudos técnicos financiados pelo programa Low Carbon Brazil estão finalizando, como vocês valoram a qualidade deste serviço?

A Low Carbon Brazil apoiou o desenvolvimento dos estudos de viabilidade econômica, técnica e de mercado, além de cobrir o custo do processo de patenteamento. Estamos muito satisfeitos com os serviços prestados pelos advogados de patentes da Danubia e com os resultados gerais dos serviços de consultoria.

9. Low Carbon está também ajudando os parceiros na procura de financiamento para implementar efetivamente os projetos apoiados. Pode nos informar como esperam que este projeto seja financiado e por quem?

A tecnologia IoRE é mais adequada para ser financiada por investidores-anjo, interessados no setor de enertech, no entanto, também recebemos um interesse considerável de empresas de energia. A IoRE foi premiada com a medalha de prata de inovação energética na EDP Open Innovation Lisboa, em 2017; e fomos selecionados como uma das 10 principais Fintechs pelo BNDES. Atualmente, recebemos o maior interesse das empresas de energia não envolvidas na distribuição, mas dispostas a entrarem no mercado de geração distribuída.