mapa de energia solar

Novo mapa solar e eólico para download no ATLAS GLOBAL da IRENA

Pela primeira vez, dados do recurso de energia renovável produzidos de forma privada estão disponíveis para download a todos gratuitamente.

Atlas sobre energias renováveis da Irena

Em maio deste ano, a Atlas Global da IRENA das Energias Renováveis anunciou uma nova ferramenta que permite aos usuários fazer download de dados de recursos renováveis a partir de conjuntos de dados selecionados para análise offline. Até agora, apenas dados de fontes de financiamento público selecionados estava disponível. Isso mudou agora que a Vaisala, líder mundial em medição ambiental e industrial, fez com que os seus dados médios anuais sobre irradiação solar e da velocidades do vento estejam disponíveis para download através do Atlas Mundial. Esta capacidade dá aos desenvolvedores, os tomadores dos decisões políticos e pesquisadores acesso a dados globalmente consistentes de recurso que pode ser usado na definição de políticas e execução de planejamento inicial do projeto e prospecção.

O mapa da Vaisala no Atlas Global fornece acesso a radiação solar e velocidade do vento globais.

O mapa da Vaisala no Atlas Global fornece acesso a radiação solar e velocidade do vento globais.

Acesso aos dados mundiais confiáveis da radiação solar

Nicolas Fichaux, Diretor Sênior do programa da IRENA, sente-se orgulhoso do progresso do que o Atlas Mundial tem feito desde que foi lançado em 2013. "Nosso objetivo comum é para acelerar o crescimento das energias renováveis em todo o mundo. Ao empurrar os limites de dados de recursos disponíveis ao público, IRENA e Vaisala estão ajudando o setor a se mover mais rapidamente, diminuindo a complexidade de entrada em novos mercados de energia renovável. O sector privado reconhece o desafio, e este contributo da Vaisala demonstra seu contínuo apoio para o trabalho da IRENA. "

Pascal Storck, Gerente Global de Serviços de Energia na Vaisala, acrescentou: "Facilitar o acesso aos dados confiáveis do recurso é um primeiro passo essencial quando se trata de apoiar a expansão global de energia renovável. É nosso objetivo e responsabilidade para minimizar o risco de investimento para a indústria em todo o ciclo de vida de projetos - desde os esforços de prospecção em fase inicial destes dados permite ao previsões financeiras e de apoio operacional em tempo real mais detalhada nós fornecemos aos clientes. Trabalhando com IRENA como parte da Iniciativa Global Atlas nos dá a oportunidade de maximizar o alcance global de nosso conjuntos de dados solares e eólicos para o benefício da comunidade internacional de desenvolvimento de energia renovável e as suas ambições em novos mercados promissores ".

Dados de energia solar e eólica de alta qualidade

Os dados podem ser carregados a partir do mapa da Vaisala no Atlas Global, em formato GeoTIFF em porções de 4 MB. dataset eólica global da Vaisala fornece velocidades médias anuais de vento a uma altura de 80 metros e uma resolução de 5 km, com base em dez anos de dados de hora em hora de simulações avançadas e validados contra medidas no terreno. O conjunto de dados solar global fornece irradiação anual média global horizontal (GHI) a 3 km de resolução. A informação é baseada em mais de dez anos de dados horários derivados de imagens de satélite e validados contra medidas no terreno.

Como baixar os dados solares no Atlas Mundial da Vaisala

Como baixar os dados solares no Atlas Mundial da Vaisala

Para mais informações sobre como transferir os dados do Atlas Global, assista o breve tutorial sobre as novas funcionalidades na versão 2.1, ou assista o webinar recente sobre a Avaliação dos Recursos Solares com a Atlas Global de Energias Renováveis da IRENA.

Fonte: Irena


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!

O mapa da mina da geração fotovoltaica centralizada

Por Gabriel Konzen, analista da EPE

A EPE LANÇOU RECENTEMENTE UM LIVRO INTITULADO “ENERGIA RENOVÁVEL”. FUI O RESPONSÁVEL PELO CAPÍTULO DE ENERGIA SOLAR, E TENTEI TRAZER VÁRIAS INFORMAÇÕES ATUALIZADAS E INÉDITAS SOBRE ESSA FONTE. GOSTARIA DE COMPARTILHAR AQUI UM DOS ESTUDOS MAIS LEGAIS QUE A GENTE DESENVOLVEU E PUBLICOU NO LIVRO.

Todo mundo fala que o potencial fotovoltaico no Brasil é enorme. Mas quanto?Mais do que adjetivos, precisávamos de números. Em 2014, a EPE já havia publicado um estudo do potencial técnico da geração distribuída fotovoltaica no setor residencial, mas faltava um para a geração centralizada.

Com a ajuda do pessoal da Superintendência de Meio Ambiente da EPE, que é fera em ArcGIS, foram identificadas através de georreferenciamento as áreas aptas para a instalação de plantas fotovoltaicas no país, considerando algumas restrições.

Primeiramente, foram consideradas aptas as áreas com declividade do terreno inferior a 3%  e com dimensões superiores a 0,5 km², considerada a área necessária para instalação de uma unidade de cerca de 35 MWp. Na sequência, foram excluídas as áreas sob proteção: unidades de conservação, terras indígenas, comunidades quilombolas e áreas de Mata Atlântica com vegetação nativa, conforme a Lei nº 11.428/2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do bioma Mata Atlântica. Também se optou por excluir da análise áreas dos biomas Pantanal e da Amazônia. Adicionalmente, foram excluídas outras áreas com limitações de uso, tais como áreas urbanas e a hidrografia.

Das áreas aptas ilustradas foram descontados 20% do total, referente às restrições de uso impostas pelo código florestal, isto é, as áreas de reserva legal (RL) e as áreas de preservação permanente (APP). Por fim, foram excluídas as áreas com vegetação nativa, de modo a quantificar o potencial somente em áreas antropizadas, ou seja, onde já houve intervenção humana.

Em termos numéricos, a área apta antropizada resultante total, é apresentada na tabela a seguir. A potência FV foi estimada com base em um fator de 70 MWp/km².

Portanto, ao considerar apenas a faixa de melhor irradiação (6,0 a 6,2 kWh/m²), ou seja, a quinta-essência do aproveitamento solar no Brasil, apenas em áreas já antropizadas, estima-se a possibilidade de instalação de 307 GWp em centrais fotovoltaicas, com geração aproximada de 506 TWh/ano. Ou seja, cobrindo de módulos FV uma área equivalente ao reservatório da UHE Sobradinho seria suficiente para atender todo o consumo elétrico nacional. 

Em termos estaduais, a Bahia se destaca como o estado com maior área apta já antropizada, detendo também a maior parcela das áreas localizadas na faixa de melhor irradiação. Na sequência, também se destacam os estados de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

No entanto, cabe salientar que embora tenham sido valorizadas as áreas que recebem maior irradiação, praticamente todo território brasileiro é propício ao aproveitamento solar. Sabemos que mesmo as áreas com a menor irradiação do mapa são de mais elevada insolação que os melhores sítios da Alemanha, um dos países com maior capacidade instalada fotovoltaica.

Adicionalmente, ressalta-se que a escolha do local de um empreendimento não depende somente da irradiação do local. Proximidade de subestações, infraestrutura rodoviária e a existência de plantas em operação da mesma empresa, são alguns dos fatores que influenciam a decisão de onde empreender.

Portanto, as áreas apresentadas devem ser consideradas como indicativas, não se restringindo o potencial de aproveitamento a algum estrato de irradiação ou estado específico.

Fonte: Gabriel Konzen,