nordeste

Conheça o primeiro condomínio solar do Brasil

A escolha do Ceará para abrigar esta iniciativa deve-se a sua fama como "A Terra do Sol", com alta incidência de raios solares.

A Prátil é a companhia responsável pelo projeto e decidiu pôr em prática o sistema de compensação de energia, estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) através da resolução 482, que regula a geração distribuída no Brasil, temos um exemplo desse modelo através do aluguel de plantas solares. A resolução permite aos clientes produzirem sua própria energia, mesmo que em local diferente do consumo, com obtenção de créditos na conta de luz. A unidade funcionará como um condomínio, com vários lotes de microgeração que podem ser alugados individualmente para clientes no Ceará conectados à rede da Coelce, empresa de distribuição no estado.

A rede Farmácias Pague Menos será o cliente que alugará todos os lotes instalados na usina solar. A Pague Menos e a Prátil formalizaram um contrato de locação para geração de 1.750 megawatts/hora (MWh) por ano, durante 15 anos, que atenderá 40 lojas no estado do Ceará. A energia gerada pelo condomínio solar será injetada na rede da Coelce, que por sua vez fará a compensação em KWh da energia gerada na conta de luz das lojas das farmácias.

Esta iniciativa não só está em conformidade com a sustentabilidade que buscamos para o nosso negócio, como também contempla um dos tripés das Farmácias Pague Menos, que é o da inovação.

Quanto mais projetos forem realizados a partir de fontes de energia renováveis, como a solar, melhor será o futuro do sistema elétrico do País.

O condomínio solar funciona como a instalação da energia solar em uma residência, mas com a vantagem de o cliente não precisar de espaço para o painel no telhado nem arcar com os custos de instalação e manutenção. Resumindo: O cliente garante o preço da energia antecipadamente e obtém descontos na conta de luz,  já que toda a energia gerada pelos painéis solares é injetada na rede elétrica.

O primeiro condomínio solar do Brasil foi implantado na cidade de Limoeiro do Norte, no Ceará. foram utilizadas 3.420 placas fotovoltaicas, com potência total instalada de 1.060 kWp, o suficiente para abastecer aproximadamente 900 residências todos os dias. O investimento está em torno de 7 milhões de reais.

Condomínio Solar de 1 MW no Ceará para Farmácia Pague Menos


Condomínio Solar de 1 MW no Ceará para Farmácia Pague Menos


SIGA A COSOL NO MEDIUM: MEDIUM.COM/COSOL


O resgate do semiárido está nas energias renováveis

Cientista defende o uso da energia solar e eólica como medida para resgatar o semiárido.

Sustentabilidade ganha cada vez mais destaque nas mídias

Geração de energia e sustentabilidade são assuntos importantes abordados na novela “Velho Chico” exibida pela Rede Globo de Televisão.

“Será que o preço da energia é acabar com todos os nossos rios?”, indaga Zé Pitangueiro, interpretado por José Dumont, personagem que conhece bem o rio São Francisco. Como consolação, recebe a resposta de Martim, vivido pelo ator Lee Taylor, que explica que “já tem gente fazendo energia do sol, dos eventos, das marés”, dando exemplos de geração de energia através de fontes renováveis.

O diálogo aconteceu em um dos capítulos recentes da novela Velho Chico, transmitida pela Rede Globo.

O velho Chico, energia e sustentabilidade

O tema da “morte” do rio São Francisco é recorrente no novela do horário nobre da emissora, e a discussão é muito importante pois foca em aspectos sustentáveis e no desmatamento de patrimônios naturais do país. As belíssimas imagens e os planos visuais sobre as águas ajudam a sensibilizar a audiência para as questões energéticas pelas quais o Brasil atravessa.

O tema é abordado de forma natural e espontânea através de conversas dos personagem. Em outro momento o personagem Miguel, interpretado pelo ator Gabriel Leone, onde ele dá uma visão geral de como o próprio homem está prejudicando o “velho Chico” em troca de uma geração de energia nada sustentável e ainda alfineta a maioria das pessoas que acha chato o assunto sobre fontes alternativas, que substituiriam uma indústria e um mercado com representantes que não fazem nada a não ser cuidar de seus próprios interesses.

Assim, a novela Velho Chico se destaca ao levantar questões, que trazem noções de sustentabilidade, tão importantes e urgentes em nosso país, que de tempos em tempos entra em colapsos de energia e apagões, com inúmeros reajustes de tarifas das concessionárias e as polêmicas obras gigantescas de usinas hidrelétricas que desmatam áreas verdes.

Que o diálogo sobre novas fontes energéticas não só se torne mais presente na vida dos brasileiros, mas também se fortaleça com ideias, iniciativas, incentivos e muita, muita informação circulando. E você, como contribui para termos um Brasil mais verde, limpo e sustentável?

Referência: Blog SolarVolt.


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui embaixo e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!


Maior Usina Solar da América Latina avança no nordeste

Vem sendo construída desde dezembro de 2015 pela Enerray do Brasil, a obra do Complexo Fotovoltaico Ituverava começa o obter forma. Com capacidade de produção anual de 500 GWh, o maior Usina Solar da América Latina está localizada na cidade de Tabocas do Brejo Velho-BA e ocupa uma área de quase 580 hectares.

Usina Ituverava.

Usina Ituverava.

Esta é uma obra de grande importância para o Brasil, pois beneficiará cerca de 243 mil famílias, uma vez que a energia gerada em Ituverava será entregue no matiz energética nacional. A produção está estimada em 400 milhões de dólares e irá auxiliar para suprir a demanda regular de energia elétrica no país, que segundo as estimativas deve crescer o uma taxa média de 4% ao ano. 

De acordo com o CEO da Enerray, Thomas Kraus, a expectativa para os próximos meses é tratar a obra dentro do cronograma. Até o momento ela está evoluindo bem, sem atrasos significantes. "No mês de maio iniciamos a cravação das 133 mil estacas e além disso a montagem do mais de 19 mil trackers. Em junho, foram instalados os primeiros conjuntos de módulos fotovoltaicos. O avanço na cravação de estacas, dentro do prazo previsto, se deve ao investimento massivo feito pela Enerray em maquinário de última geração, que utiliza inclusive, tecnologia robótica e georeferenciamento por GPS, além do emprego e treinamento contínuo de nossa equipe técnica altamente qualificada e experiente", explica Kraus.

A previsão é que o Complexo comece a operar ainda no primeiro semestre de 2017.

Sobre a Enerray: Localizada em Jundiaí, a 50 km de São Paulo a Enerray é totalmente focada em energia fotovoltaica desde 2011. Uma empresa líder na concepção técnica, construção e gestão de sistemas fotovoltaicos de médio e grande porte, que até o momento, já criou mais de 240 sistemas fotovoltaicos em todo o mundo.

Fonte: Dino - Divulgador de Notícias.


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença de neste papo!