solar panels

Usina solar será construída em Morrinhos, Goiás

No dia 5 desse mês, a Celg Geração e Transmissão constituiu a Sociedade com Propósito Específico (SPE), em cooperação com a Construtora Villela Carvalho destinado a construção de uma usina fotovoltaica na subestação Planalto, localizada em Morrinhos.

A administração da Usina ficará da responsabilidade do Planalto Solar Park, que detêm 51% das ações. A empresa japonesa Kyocera Brasil será a fornecedora das placas para a produção da energia solar enquanto a Celg G&T, cuja participação acionária será de 49%, ficará responsável pelo financiamento do empreendimento.

A Sociedade com Propósito Específico investirá R$ 35 milhões na construção da Usina e prevê termino das obras em aproximadamente seis meses. O novo presidente da Celg G&T, Fernando Navarrete, ratifica o pioneirismo do Estado. “O Estado mais uma vez é pioneiro na execução de empreendimentos inovadores, neste momento na geração de energia renovável”, declara.

A usina construída em Morrinhos será a primeira das seis usinas previstas para serem construídas em Goiás dentro de 2017. Segundo o governador do Estado, Marconi Perillo, a Celg G&Tvai entregar uma receita de R$ 130 milhões até o meio do ano, que seria de R$ 150 milhões caso não houvesse atraso na entrega de algumas obras. 

A energia fotovoltaica é gerada a pela radiação solar natural, sendo uma das fontes de energia mais acessíveis e limpas.

A construção dessa forma de produção de energia poderá diminuir a necessidade do uso de usinas termelétricas, que são mais caras e mais poluentes.

O governador ressaltou que a energia fotovoltaica é uma das fontes mais limpas acessíveis. “Seu uso é bastante promissor no Brasil, e em especial no Centro-Oeste, pelos altos índices de insolação e outras condições climáticas”, salientou.

Fonte: Tatiane Barbosa para Diário da Manhã.


SIGA A COSOL NO MEDIUM: MEDIUM.COM/COSOL


Em vez da parede do Trump, vamos construir uma borda de painéis solares

O presidente eleito Donald Trump pediu frequentemente que o México construa um muro no meio dos países. Realmente, existe um modo do México criar uma barreira entre os EUA e o México, construído especificamente no lado mexicano, com benefícios substanciais para o dois os países e para o planeta: uma fronteira solar.

A radiação solar nos desertos da norte do México é mais intensa que no sudoeste dos EUA por causa da menor latitude e padrões de nuvens mais favoráveis. E também os custos de construção e manutenção para usinas solares no México são consideravelmente mais baixos. Dessa maneira, a construção de uma longa série de tais plantas no decorrer do lado mexicano da fronteira seria capaz de gerar cidades de energia solar em ambos os lados mais rapidamente e mais barato do que construções semelhantes feitas do lado americano da fronteira. 

A energia solar já está sendo produzida em preços menores do que o de carvão. Com as plantas solares ao longo de vastas extensões da fronteira EUA-México de aproximadamente 2.000 milhas no lado mexicano, um recente rede de alta voltagem de corrente contínua (HVDC) poderia ser configurada a fim de transmitir energia de forma efetiva do matriz para centros populacionais. 

As linhas de energia perdem exponencialmente menos energia em longas distâncias do que linhas de energia tradicionais. As cidades que poderiam ser beneficiadas imediatamente incluem San Diego, Tijuana, Mexicali, Tucson, Phoenix, El Paso, Ciudad Juarez, San Antonio e Monterrey. 

Se construíssemos a correspondente o um terço da largura de um campo de futebol ao sul de toda a fronteira entre os EUA e o México, mais amplo em alguma áreas e mais estreito noutro, com um vasto espaço permitido para áreas povoadas e trechos de terreno irregular, geraria energia suficiente para também fornecer para Los Angeles, Las Vegas, Albuquerque, Dallas e Houston. Para as cidades dos EUA, seria uma maneira de obter energia mais barata e mais limpa do que eles podem de outras fontes.

Uma fronteira solar aliviaria diversos problemas binacionais. Por um lado, teria um resultado civilizante dentro de uma área perigosa. 

Como as usinas fazem o uso de medidas de segurança a fim de manter os intrusos fora, a fronteira solar servirá tal como uma cerca de fato, reduzindo a porosidade da fronteira, ao passo que produz benefícios econômicos, ambientais e de segurança em ambos os lados. Isso tornaria o tráfico de drogas, armas e pessoas ainda mais difícil para os cartéis criminais.

No México, a fronteira solar criaria um novo tipo de trabalhos de construção e tecnologia de alta ciência ao longo da fronteira, o que conseguiria absorver uma quantidade significativa de trabalhadores imigrantes que procuram entrar ilegalmente nos Estados Unidos. 

Mais relevante ainda, faria uma colaboração significativa para a luta global contra as emissões de carbono, visto que a eletricidade gerada seria neutra em carbono e a compra de tanta tecnologia solar reduziria seu preço. As plantas seriam construídas usando técnicas ambientalmente sensíveis com o objetivo de evitar a perda de habitat para espécies do deserto.

Além do mais, a rede poderia estender-se às costas, onde podiam ser construídas fábricas de dessalinização ecologicamente sensíveis para a produção de água doce, que podiam ser transportadas para as cidades e áreas agrícolas ao longo da fronteira que sofrem de insuficiência de água, um acontecimento que se agravará já que os efeitos do aquecimento global aumentam a desertificação. Isso reduziria as tensões e a preocupações com a segurança alimentar que vincularam a relações bilaterais ao longo de décadas devido ao concorrido abastecimento de água do Rio Grande e outras fontes de água compartilhadas.

Uma vez instaladas e comprovadas as instalações solares, outras áreas no México poderiam ser adicionadas à rede, aproveitando o know-how acumulado na nova força de trabalho pela experiência inicial de construção. O México tem imenso potencial como país produtora de energia solar, especialmente nos seus desertos de alto deserto central, que proporcionam a combinação mais favorável de clima seco, sem nuvens, de baixa latitude e relativamente frio para a geração solar. Potencialmente, todo o México poderia ser solar-powered um dia.

Como pagar por isso? 

Apesar de ser um grande investimento, o preço de geração de energia solar industrial continua a cair rapidamente, e porque a energia solar mexicana é mais barata para construir e manter do que as instalações comparáveis ao norte da fronteira, os investidores internacionais teriam incentivos fortes. Fortuitamente, as recentes reformas constitucionais do México incentivam o investimento estrangeiro e doméstico no setor de energia elétrica.

A construção da fronteira solar também ajudaria o México a atingir suas metas de mudanças climáticas obrigatórias, que incluem 35 por cento a produção de eletricidade renovável até 2024. As exportações de eletricidade de México para os EUA já existem há mais de um século e floresceu nos últimos anos, o que tornaria relativamente fácil obter garantias internacionais de empréstimo a longo prazo para usinas solares.

Se a iniciativa fosse enquadrada como um grande projeto carismático que tivesse o apoio total do governo mexicano, conquistando a admiração do resto do mundo, posicionaria o México como um líder mundial exemplar no combate às mudanças climáticas. México e os EUA seriam conectados por uma parede verdadeiramente bonita - um símbolo da unidade, visível mesmo do espaço.

Fonte: Huff Post.


Siga a COSOL no Medium: medium.com/cosol


Energia solar chegará em reserva extrativistas no Amazonas, em 2017

Em julho de 2017, será instalada uma fonte de energia solar a fim de abastecer as reservas extrativistas Médio Purus e Ituxi (Resex), no Amazonas.

Créditos de imagem: Ipevs.

Créditos de imagem: Ipevs.

Um dos benefícios será a reativação de uma fábrica de gelo na região para conservar a produção de peixes e frutas. De acordo com os extrativistas, além de poder conservar esses produtos, as comunidades poderão usufruir de mais tempo de eletricidade para aulas noturnas nas escolas, centros de informática e elevação de captação de água por poço artesiano ou do chuva, com bombeamento e filtração.

Atualmente, a região somente conta com três horas por dia de eletricidade, originada através de motor a diesel. 

A articulação teve início neste ano e é uma associação entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, por meio da Coordenação de Políticas e Comunidades Tradicionais, e o WWF.

Para o gestor do ICMBio na Resex de Médio Purus, José Maria Ferreira de Oliveira, a energia limpa nas comunidades extrativistas trará tranquilidade, segurança, fartura e economia. “Isso vai gerar autonomia e impulsionar novas atividades produtivas além de melhorar e muito a qualidade de vida de cada morador.” 

Já Benedito Clemente de Souza, morador da Resex Médio Purus, diz que a energia propiciará uma verdadeira revolução na comunidade. “Tomar água gelada nesse calor que vivemos e ter um peixe resfriado sem ter que salgar, sabendo que já tem gente com problema de pressão alta por causa do sal, isso tem muito valor para nós”, afirmou Souza.

Fonte: Portal Brasil


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!


Energia solar pode trazer mais de R$ 125 bilhões em investimentos até 2030

Energia solar pode trazer mais de R$ 125 bilhões em investimentos até 2030

As atuais projeções da Empresa de Pesquisa Energética (EPE),possuem a meta de 25 gigawatts  de potência instalada da energia solar fotovoltaica até 2030.

Evento em Sergipe mostrou para empresários as vantagens de utilizar energia solar

Empresários sergipanos participaram desta quinta-feira, 1º, do simpósio ‘Energia Solar como ferramenta de competitividade’.

Foto: Itawi Albuquerque

Foto: Itawi Albuquerque

O evento ofereceu palestras e mesa redonda, com o objetivo de debater o respeito das vantagens da energia solar, tal como modelo de economia. O propósito do evento, segundo os organizadores, é mostrar as vantagens do uso alternativo do sistema aos empresários. 

O superintendente do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), Rodrigo Rocha, destacou que o intuito de toda empresa é reduzir custos. “No cenário em que estamos vivendo, essa é um excelente chance de economizar por meio da energia solar. Então, vamos discutir a viabilidade de implantação, quais são os caminhos, dificuldades, vantagens e benefícios, a fim de que as empresas entendam que esse é um recurso de investimento”, ressalta.

Rodrigo destaca também, que a utilização da energia solar proporciona uma economia de até 90% na conta de luz das empresas que utilizam o sistema. “Apresentamos essas vantagens aos empresários sergipanos, mostrando que essa é uma oportunidade de garantir mais economia para suas empresas”, diz.

O evento foi uma iniciativa do Sebrae, em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi (IEL), SergipeTec e  Universidade Federal de Sergipe

Um dos principais benefícios da utilização da energia solar fotovoltaica é a sua alta disponibilidade no meio ambiente, visto que o Sol gera 4 milhões de vezes mais energia que consumimos. Além do mais, este modelo não polui o meio ambiente, é gratuito, ocupa pouco espaço e tem baixa exigência de manutenção. O excedente gerado pode ser incorporado ás redes de distribuição, permitindo que o usuário acumule créditos que podem ser usados para reduzir a fatura do meses seguintes.

Apesar do crescimento registrado nos últimos anos, o Brasil ainda possui um longo caminho o percorrer no que diz respeito ao uso desse sistema. A energia solar fotovoltaica responde apenas por 0,02% do matriz energética nacional. Em Sergipe a situação ainda é mais grave, já que o estado é um dos pouco o não conceder isenção da alíquota de 30% do ICMS sobre o volume de energia produzido em uma residência ou ponto comercial.

Referência: Infonet.


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!


Dentro de um ano a energia solar cresceu 600% no Paraná

Dentro de um ano a energia solar cresceu 600% no Paraná

A rede da Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou uma verdadeira expansão, crescendo 600% no período e saltando de 100 para exatos 700 pontos.

Primeira fazenda do mundo a usar água do mar e luz solar para produzir alimentos

Usando 23.000 espelhos para refletir a energia solar e água dessalinizada, a Sundrop Farms situada em Port Augusta - uma área de deserto na Austrália - tem inovadoras obras agrícolas.

Sem recorrer a pesticidas, sem a necessidade de contar com chuva, ou utilizar os combustíveis fósseis para alimentar sua fazenda de 20 hectares, o seu sistema está provando ser um show sustentável para o cultivo de alimentos em novas formas .

Enquanto as populações aumentam, a demanda mundial por alimentos consequentemente irá subir também. Embora o desperdício de alimentos precise ser controlado, uma vez que cerca de um terço de toda a produção de alimentos globalmente a cada ano é jogado fora, custando cerca de US $ 680 bilhões de dólares para nações industrializadas, e US $ 315 bilhões para os países emergentes, existem maneiras de criar mais alimentos de forma sustentável sem tributar os recursos do mundo.

Os três maiores obstáculos para o cultivo de alimentos livres de pesticidas para a maioria dos agricultores são água, terra e energia. Ao romper a nossa dependência desses recursos finitos, juntamente com práticas agrícolas tradicionais, mais alimentos podem ser cultivados para alimentar mais pessoas.

As alterações climáticas, grilagem de terras, secas, inundações e pestilência não são mais uma preocupação para os agricultores inovadores. A capacidade da Sundrop para continuar, apesar de condições meteorológicas extremas, já foi demonstrada algumas semanas atrás, uma tempestade causou estragos no Sul da Austrália. Sundrop Farms foi capaz de assumir o peso de ventos fortes e continuar as operações, apesar de um apagão em massa em grande parte da área.

Ao tratar a água salobra de Spencer Golfo e reutilizá-lo em uma estufa enorme forrado com papelão, Sundrop evita ter que depender de águas subterrâneas. Devastada pela seca os agricultores da Califórnia recentemente utilizado 15 litros de água para crescer um pequeno punhado de amêndoas, e água-use como este não é incomum na agricultura tradicional.

Ao tratar a água salobra, vinda do mar de Spencer Golfo e reutilizá-la em uma estufa enorme forrado com papelão, a fazenda evita ter que depender de águas subterrâneas. Devastada pela seca os agricultores da Califórnia tendo recentemente utilizado 15 litros de água para fazer crescer um pequeno punhado de amêndoas, essa parece ser a solução de onde encontrar água.

Utilizando vários espelhos para redirecionar o sol do deserto, todas as necessidades elétricas da fazenda é abastecida pela luz solar para assim crescer 17.000 toneladas de alimentos a cada ano. A empresa também não utiliza fertilizantes químicos, e sem pesticidas, uma vez que emprega insetos benéficos para destruir as pragas que podem prejudicar as colheitas. 

"Porque nós fazemos tudo em um ambiente controlado, nós sabemos quanto é os nossos custos de entrada, e nós estamos fazendo tudo em uma base renovável, podemos fornecer consistência real da oferta e um produto de qualidade superior em melhor rodada de preço no ano", disse Philipp Saumweber, presidente e CEO da Sundrop Farms.

Como se isso não fosse o suficiente para fazer cair o queixo, a fazenda ainda possui uma estação de crescimento por aquecimento do efeito estufa no inverno, com 39 megawatts de energia limpa adquirida a partir de energia solar durante todo o ano.

Embora a fazenda tenha custado US $ 200 milhões para a construção, os empresários acreditam que valeu a pena o investimento de longo prazo, uma vez que nunca vai ter que lidar com os combustíveis fósseis. Eles estão quebrando a dependência da agricultura sobre os recursos finitos.

Além da Fazenda australiana, uma fazenda de Tennessee está em obras em os EUA, e eles acabaram de concluir a construção de sua primeira fazenda Europeia em Portugal.

Esta é mais uma prova, de que não precisamos de alimentos com milhões de pesticidas cancerígenos. As fazendas orgânicas praticam técnicas antigas para aumentar o rendimento, e essa fazenda, em especial, usa a tecnologia mais recente e maior,  para provar que nós realmente não precisamos de nada mais do que um pouco de imaginação para alimentar a todos com um alimento saudável e sustentável.

Fonte: The Mind Unleashed


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo!


Afinal o que são usinas solares?

Uma dúvida recorrente, afinal o que são usinas solares?

Piauiense cria projeto de captação de água subterrânea utilizando luz solar

O piauiense João Gualberto Fonseca criou um projeto que utiliza a energia solar para captação de água no subsolo.