Veículos Elétricos

Noruega e os veículos elétricos

Noruega e os veículos elétricos

Autoridades esperam que a venda de carros elétricos consiga ocupar em 100% o mercado em 2025.

Novo eletroposto para recarga de veículos é instalado em São Paulo

Um novo eletroposto com carregador para veículos foi inaugurado no bairro do Paraíso, em São Paulo. O equipamento capta a radiação solar e a transforma em energia elétrica. Trata-se da segunda estação de recarga pública instalada na cidade e a iniciativa é realizada pelas empresas Neosolar, AZ Energy e Schneider Electric.

eletroposto + energia solar

“O principal objetivo é disponibilizar mais uma alternativa para recarga de carros elétricos e híbridos em espaço público na cidade de São Paulo, estrategicamente localizado na região do Paraíso, próximo à Avenida 23 de Maio”, afirma Fabiana Galvão, especialista em sustentabilidade da Schneider.

De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a frota de carros elétricos no Brasil dobrou nos últimos dois anos. Em 2013, eram 2,2 mil unidades; agora são 4,7 mil, já levando em conta as vendas até 31 de julho de 2015. “O custo do abastecimento do carro elétrico é bem inferior, além de ser uma opção totalmente sustentável, que reduz a poluição sonora e do ar”, afirma Junior Miranda, diretor da AZ Energy. Ele admite que a redução de impostos para veículos elétricos, anunciada pelo governo no final do ano passado, será essencial para elevar consideravelmente os números do setor ainda em 2016.

No final de 2014, a Schneider inaugurou sua primeira estação de recarga pública no Shopping Pátio Paulista, na região central de São Paulo. A empresa conta também com um carregador no estacionamento de sua sede, em Santo Amaro. “Nosso objetivo é apoiar a criação de uma infraestrutura eficiente de abastecimento de carro elétrico, capaz de impulsionar esse mercado no Brasil”, afirma Fabiana.

O grande diferencial do carregador EVLINK instalado é que a tecnologia será abastecida a partir de energia solar. A energia solar é uma fonte limpa e renovável que tem inúmeras vantagens se comparada com as outras fontes de energia. A intenção desse projeto é fazer com que todos os proprietários de carros elétricos e híbridos tenham em suas residências um sistema de energia solar para abastecer não só o veículo, mas toda a sua residência ou mesmo que use energia gerada em condomínios solares, que torna o custo ainda menor.

Utilização

Qualquer pessoa pode abastecer seu carro elétrico ou híbrido na Neosolar, sem custo algum, durante o horário de funcionamento da empresa, de segunda à sexta das 9h às 18h, na Rua Coronel Paulino Carlos, 176 – Paraíso. O EVLINK carrega até dois veículos ao mesmo tempo e leva cerca de uma hora e meia para completar a carga. A utilização é simples: o usuário estaciona o veículo no espaço dedicado à recarga elétrica, conecta o cabo no carro e aperta o botão ligar. O carregador avisa quando a carga estiver completa.

Fonte: Ecycle.


Olá, vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui e iremos te enviar alguns emails com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um consumidor de energia, investidor, epecista ou apenas interessado neste maravilhoso mundo da sustentabilidade!

É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Contamos muito com a sua presença neste papo! Cadastre-se na caixa ao lado!


Write here...

Conheça a Solar Bike, a bicicleta elétrica movida por energia solar

Que tal unir duas tecnologias limpas para melhorar a mobilidade urbana? Esta foi a ideia do dinamarquês Jesper Frausig. Depois de três anos desenvolvendo o produto, muitos testes e dois protótipos, o engenheiro apresenta a Solar Bike.

Solar Bike.

Solar Bike.

Diferentemente das bicicletas elétricas convencionais que precisam ser recarregadas em tomadas, a Solar Bike tem células solares acopladas nas rodas, que garantem a autonomia da bateria por cerca de 70 quilômetros.

A magrela dinamarquesa alcança cerca de 25 a 50 quilômetros por hora, assegura o engenheiro. A recarga da bateria é feita no momento em que a bicicleta está parada, em pé, em lugares ensolarados. Quando o ciclista está pedalando, a bateria, instalada no tubo acima dos pedais, alimenta o motor.

A intenção de Frausig, que escreveu sobre a Solar Bike na sua tese de mestrado na Universidade de Berlim, é estimular o uso das bikes nas cidades, ele cita o exemplo de Copenhague, a capital da Dinamarca já é um dos lugares onde elas são mais utilizadasSegundo ele, a Solar Bike pode ser usada por pessoas mais velhas e em serviços de entrega e transporte, principalmente em países onde o acesso à energia elétrica ainda é limitado.

Por último, acabou aquela desculpa para não deixar o carro em casa e ir de bicicleta para o trabalho porque vai chegar suado: com a elétrica, não se faz esforço! E também não se emite dióxido de carbono na atmosfera, evitando o aquecimento global e deixando o  ar mais limpo.

A inovação está concorrendo ao prêmio internacional Index – Design to Improve Life 2015 (Design para Melhorar a Vida, em português) na categoria Comunidade. Considerada uma das mais importantes do mundo no setor de design para sustentabilidade, a premiação concederá ao vencedor €500 mil.

Veja no vídeo abaixo a Solar Bike em ação:

Fonte: Suzana Camargo, colunista do Planeta Sustentável.

Carros solares já são uma realidade

O grupo Hanergy, líder chinês na produção de energia limpa, apresentou quatro modelos de veículos movidos a energia solar numa conferência, em Pequim. O evento contou com a presença de mais de quatro mil convidados de vários setores.

Estes carros movidos a energia solar podem viajar 80 km depois de cinco a seis horas de exposição ao sol, o equivalente a mais de 20 mil km por ano.

Estes carros movidos a energia solar podem viajar 80 km depois de cinco a seis horas de exposição ao sol, o equivalente a mais de 20 mil km por ano.

Os quatro modelos apresentados pela Hanergy são os primeiros veículos cobertos por películas de células solares que estão prontos a serem comercializados. Porém, espera-se que apenas entrem em produção em dois ou três anos, no momento em que o preço das baterias for reduzido em cerca de 90%. 

No seu discurso, a presidente do grupo Li Hejun, destacou as vantagens das células solares em película fina, uma dos grandes apostas da empresa. Estas películas são leves, muito flexíveis e têm o melhor taxa de conversão de energia do mundo, uma proeza certificada em Janeiro deste ano pelo Laboratório de Energia Renovável dos EUA.

Os veículos da Hanergy não emitem nenhum gás poluidor e não precissam de ser conectados à corrente elétrica para regarregar, o que significa que não é necessário preocupações com a "distância por carga". É provável inclusive fazer viagens sem nenhuma carga, desde que estas sejam de curta a média distância. 

Com uma taxa de conversão de 31,6% e a ambição de chegar aos 50%, esses carros movidos através de sol podem viajar 80 km depois de cinco a seis horas de exposição ao sol, a equivalente o mais de 20 mil quilometros por ano, sendo assim ideais para conduzir dentro da cidade.


Revolução industrial verde

Li Hejun, presidente do grupo Hanergy, abriu a conferência "Inovações Disruptivas Conduzem o Futuro" depois de conduzir, perante o público, o modelo desportivo da empresa:o Hanergy Solar R. Na linha de veículos Hanergy Solar também estão disponíveis os Hanergy Solar O Hanergy Solar L e Hanergy Solar A, destinados a diferentes grupos de utilizadores.

"A razão porque estou aqui é porque eu acredito no que Hanergy está a fazer ao criar um carro alimentado só por energia solar", disse a especialista em energia renovável, Woodrow W. Clark II, que esteve presente na conferência. Na sua opinião, o veículo movido a energia solar desenvolvido pela Hanergy é o símbolo de uma "revolução industrial verde".

Fonte: China Daily


Curitiba recebe primeiro ônibus elétrico híbrido da Volvo

O primeiro ônibus elétrico híbrido da Volvo o funcionar em uma cidade da América Latina foi exibido na quarta-feira, 29 de junho, em Curitiba. O modelo menos poluente vai trabalhar no transporte de passageiros na linha Juvevê Agua Verde, por uma fase de seis meses. O EcoD já tinha exposto a novidade em abril do ano passado.

“É mais um passo que Curitiba dá na direção da sustentabilidade. Queremos cada vez mais

adicionar novas tecnologias e diminuir a emissão de poluentes, pensando com soluções que beneficiem a maior número de pessoas e coloquem o coletivo acima do individual”, destacou o prefeito do capital paranaense, Gustavo Fruet. 

Com tecnologia plug-in, o veículo híbrido permite a recarga de bateria em pontos de embarque e desembarque de passageiros. O projeto é consequência de uma parceria global da Volvo com a Siemens, que desenvolveu as estações de carregação rápido da bateria do motor elétrico, que propicia aos veículos maior tempo de operação em modo elétrico, reduzindo o consumo de combustíveis fósseis. 

O programa reduz em até 75% o uso de diesel e a emissão de poluentes. Além disso, o uso total de energia do modelo é 60% menor que do ônibus movidos a diesel, o que representa um amplo ganho ambiental para a cidade. 

“Esse veículo é mais um passo que damos para a consolidação do projeto de eletromobilidade da Volvo na América Latina. Mantemos com Curitiba, cidade sede do Grupo Volvo continente, uma longa história para a demonstração e desenvolvimento de tecnologias e soluções de transporte que ofereçam mais qualidade aos sistemas de transporte e atendam às demandas e compromissos globais de redução de emissões”, afirma Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America. 

O veículo oferece agilidade de operação, podendo operar em modo 100(ORIGINAL)|100 (CEM)|CEM}% elétrico em áreas definidas (fase em que não emite poluentes e é inteiramente silencioso), e em modo híbrido em qualquer parte do percurso. 

O veículo vai circular na linha Juvevê Agua Verde, que tem 22,4 quilômetros e transporta cerca de 2,2 mil passageiros por dia. A estação para recarga da bateria foi instalada em um ponto de ônibus em uma pracinha da rua Menezes Dória, no bairro Hugo Langue, próximo à Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias.

A recarga da bateria do motor elétrico é feita durante o tempo embarque e desembarque de passageiros e leva, no máximo, 6 minutos para receber uma carga total. A estação carregamento de alta potência foi desenvolvida e instalada pela Siemens.

 

Testes

Os testes de demonstração do ônibus elétrico híbrido têm como objetivo avaliar e comprovar os ganhos ambientais e a viabilidade da tecnologia para os sistemas de transporte das cidades latino-americanas.

“Nosso objetivo é que Curitiba seja um laboratório e campo de demonstrações da tecnologia com baixas emissões de poluentes para outras cidades brasileiras e de outros países para da América Latina. Os resultados dos testes vão nos oferecer informações importantes para o desenvolvimento de um projeto sólido de eletromobilidade no continente”, afirma André Trombini, gerente de estratégia e novos negócios da Volvo Bus Latin America.

Durante os seis meses de demonstração, o elétrico híbrido será comparado a outros dois ônibus com a mesma configuração e capacidade de passageiros: um híbrido e um movido a diesel. Os três vão circular na mesma linha e com as mesmas condições de intensidade de tráfego e passageiros. O objetivo é avaliar e comparar a performance de cada um dos modelos em consumo de combustível, a redução de emissões, a eficiência energética e o custo operacional.

Os testes de demonstração do elétrico híbrido em Curitiba são a terceira fase do desenvolvimento do projeto de eletromobilidade da Volvo na América Latina. A primeira fase foi o início da produção e comercialização do híbrido convencional no Brasil, e a segunda a demonstração do híbrido articulado que está em operação também em Curitiba.

 

Eletromobilidade

A demonstração do elétrico híbrido em Curitiba faz parte de uma estratégia global da Volvo Buses, para desenvolvimento do projeto de eletromobilidade da marca, que prevê a oferta de soluções de transporte urbano sustentáveis do ponto de vista ambiental e econômico.

Os testes não envolvem qualquer custo para Curitiba. São uma parceira entre a Volvo, a Siemens, Ericsson, URBS, o Setransp (Sindicato das Empresas de Onibus de Curitiba e Região Metropolitana), UTFPR (Universidade Tecnológica do Paraná) e as empresas de transporte urbano Redentor, Cidade Sorriso e Glória.

Fonte: Eco Desenvolvimento